São muitas as tendências e estratégias para quem está em busca do emagrecimento e do corpo perfeito. Uma dessas táticas, por sinal, é o jejum, que já é um velho conhecido de muitas pessoas, afinal, querendo ou não, desde períodos pré-históricos, nossos antepassados o praticam, seja por escassez ou por motivos religiosos.

Essa forma de se alimentar tem ficado em evidência sobretudo de duas maneiras: a prática do jejum intermitente e o aeróbico em jejum.

No post de hoje, vamos falar especificamente da realização de exercícios aeróbicos em jejum. Você sabe do que se trata? Continue a leitura que vamos explicar o que é, as vantagens e, principalmente, os riscos de aderir a essa estratégia sem acompanhamento profissional. Vamos lá!

O que é aeróbico em jejum?

O aeróbico em jejum ou AEJ é um tema controverso nas discussões sobre saúde e alimentação, pois, ao mesmo tempo que para uns é o queridinho da vez quando se trata de emagrecimento, para muitos, ele pode ser considerado um vilão.

O AEJ consiste em, basicamente, a prática de atividade física sem se alimentar. Entretanto, diferentemente de outras formas de jejum, como o intermitente, que em alguns casos há a ingestão de líquidos pouco calóricos (chás, café sem açúcar e termogênicos), para ser caracterizado como AEJ, você deve praticar atividade física de baixa intensidade (caminhada, bicicleta etc.) ao acordar.

Para que a estratégia funcione, o ideal é ter uma alimentação equilibrada ao longo do dia anterior (que vamos detalhar mais abaixo) e os exercícios devem ser entre intensidade leve e moderada, em um curto espaço de tempo.

O recomendado é começar com 10 minutos e, de acordo com a sua evolução, acrescentar 2 minutos por dia até, no máximo, 45 minutos. Vale destacar que, apesar de algumas pessoas se adaptarem muito bem, o AEJ não deve ser uma estratégia de longa duração, mas, sim, algo pontual dentro do plano alimentar.

Então, o aeróbico em jejum é bom ou ruim? Será que devo aderir? Acompanhe os próximos tópicos e descubra!

Existe algum benefício?

Então, o aeróbico em jejum é bom ou ruim? Será que devo aderir? Acompanhe os próximos tópicos e descubra!

O aeróbico em jejum quando feito por pessoas que se adaptam a ele e com o acompanhamento adequado, pode apresentar alguns benefícios. Primeiro, porque reorganiza a forma que lidamos com a alimentação, pois as refeições precisam ser pensadas detalhadamente.

VEJA TAMBÉM  Aeróbico e musculação: como alinhar o treino para perder peso?

Além disso, apresenta benefícios no que diz respeito ao emagrecimento. Isso porque o AEJ age diminuindo a produção de insulina, que é responsável pela reserva de gordura no corpo. Também ajuda a metabolizar melhor os alimentos, melhorando todo processo digestivo, inclusive promovendo uma espécie de desintoxicação do organismo.

Com os níveis de glicogênios (reserva de energia em forma de carboidratos) reduzidos no organismo, haverá maior chance do metabolismo buscar combustível para o bom funcionamento em outras fontes, como a própria gordura corporal. Ou seja, depois de um tempo aderindo, o percentual de gordura tem grandes chances de abaixar.

O AEJ pode, ainda, ser benéfico na questão hormonal, uma vez que ajuda no aumento da produção do GH, que é um hormônio ligado ao crescimento e um aliado ao processo de ganho de massa magra.

As atividades em jejum também atuam equilibrando o nível do cortisol, que tem como função controlar o estresse, equilibrar o nível de açúcar no sangue e reduzir inflamações em geral.

Quais são os riscos?

O treino aeróbico em jejum tem alguns riscos

Como vimos, com a adesão do aeróbico em jejum, é possível que, em condições ideais, apareçam alguns benefícios. Entretanto, não são todas as pessoas que podem adotar essa estratégia. Caso contrário, há grandes chances do AEJ ser um risco para sua saúde.

Quando o praticante possui uma alimentação composta na maior parte por carboidratos de alto índice glicêmico, como pães brancos, bolos e doces em geral, ele acostuma o cérebro com a sensação de prazer que esses alimentos causam.

Em caso de falta desse macronutriente, o organismo imediatamente envia ao cérebro um sinal de fome. Com isso, você não vai conseguir executar os exercícios devido a tonturas, fraquezas e até queda de pressão arterial.

Existe ainda um risco ligado a dietas com baixa ingestão calórica. Muitas vezes, reduzimos as porções dos alimentos sem nos preocuparmos com a sua composição, o que é, sem dúvidas, um péssimo caminho a seguir.

A pessoa que adere a uma dieta hipocalórica costuma apresentar o metabolismo mais lento, visto que ele se adaptou a funcionar com menos energia e a armazenar gordura. Nessa situação, além de não emagrecer, ainda é possível sentir-se mal com prática, já que o corpo não dispõe de energia suficiente para a realização de um exercício.

VEJA TAMBÉM  Afinal, vale a pena fazer aulas de jump?

Outra condição em que a prática do AEJ não é recomendada é quando o indivíduo acaba de deixar o sedentarismo ou mesmo não possui um bom condicionamento físico. Nessas pessoas, a manutenção da glicose no sangue dentro da normalidade costuma apresentar dificuldades.

Com a queda na glicose, sintomas como tonturas, enjoos, náuseas e até a perda de consciência podem ser frequentes. Ou seja, em todos esses casos, além do praticante colocar a saúde em risco, ainda não obtém o resultado esperado em relação à queima de gordura.

Afinal, vale a pena adotar essa estratégia?

Afinal, vale a pena adotar essa estratégia?

A resposta para essa pergunta é depende. Se você não tem nenhuma das condições limitantes, pode ser uma estratégia que apresente bons resultados, dependendo dos seus objetivos.

Para que o aeróbico em jejum funcione é preciso ter uma melhor consciência da alimentação. Não precisa comer menos ou deixar se alimentar, mas, sim, mudar alguns horários e a composição das suas refeições.

Para ter bons resultados é preciso priorizar uma dieta rica em proteínas (carnes, ovos, queijos, feijão, lentilha etc.) e consumir as chamadas gorduras boas, que são aquelas encontradas no azeite de oliva, castanhas, abacate, entre outros.

Não significa que você tenha que abandonar os carboidratos, mas, no lugar, adotar uma dieta low carb, que consiste em reduzir a quantidade fazer uma troca: opte por tubérculos, produtos integrais e uma boa dose de frutas e vegetais ao longo do dia.

Se você deseja conhecer mais sobre o aeróbico em jejum, o mais indicado é procurar orientação nutricional e realizar uma investigação profunda das suas condições físicas e traçar objetivos condizentes com ela, pois de nada adianta buscar resultados milagrosos colocando a saúde em risco, não é mesmo?

E aí, o que achou deste artigo? Se você não quer perder nenhuma novidade, assine nossa newsletter no campo abaixo. Sempre enviamos dicas e novidades incríveis!